Paraná

No Paraná, já são 281 pessoas recuperadas da Covid-19

Um terço dos pacientes que foram confirmados com o novo coronavírus no Paraná já estão liberados do tratamento. Os últimos dados da Secretaria da Saúde mostram que 281 pessoas estão recuperadas no Estado. São 125 pacientes em Curitiba e 156 nos demais municípios paranaenses.

É considerado recuperado o paciente que teve o teste do coronavírus confirmado pelo Laboratório Central do Estado (Lacen) ou pelos laboratórios particulares credenciados e não apresenta mais os sintomas passados 14 dias após o início da doença.

O boletim divulgado na quinta-feira (16) pela Saúde confirmou 845 casos no Paraná, desde meados de março (13 pacientes não residem no Estado).

O número de recuperados também supera os de pacientes que estão internados no momento por causa da Covid-19, que hoje são 134 pessoas.

PERFIL – Considerando apenas os dados da Secretaria de Estado da Saúde – em Curitiba, o controle é feito pela secretaria municipal – os pacientes recuperados têm de 8 a 90 anos de idade.

A faixa etária dos 30 aos 39 anos conta com o maior número de liberados do tratamento – 31% do total. Pacientes com mais de 60 anos são 25% dos recuperados.

RECUPERADO – O caso do engenheiro agrônomo Gustavo Czelusniak, de 24 anos, representa a maioria das situações das pessoas contaminadas pelo novo coronavírus, em que os sintomas da doença se confundem com o de uma síndrome gripal leve, sem maiores problemas.

Ele fez uma viagem a trabalho para São Gabriel do Oeste, no Mato Grosso do Sul, e começou a sentir os primeiros sintomas na noite de 19 de março. “Eu estava no hotel quando começou um resfriado. Foram sintomas simples, meu nariz começou a ter coriza e o meu olho a lacrimejar”, conta. “Mas meu gestor também não estava bem e tinha feito o exame, e avisou as outras pessoas que tiveram contato com ele, que era o meu caso”, diz.

Além dos primeiros sintomas, Gustavo também sentiu dor no corpo, febre, nariz trancado e uma tosse seca. “Mas nada muito alarmante”, diz. “No dia seguinte já não fui trabalhar e só saí do hotel para buscar um pronto-atendimento na cidade, e a médica me pediu 14 dias de isolamento. Nem eu ou meu gestou sabemos onde pegamos, porque rodamos algumas cidades do Paraná, São Paulo e Mato Grosso do Sul”, explica.

Gustavo Czelusniak