Cidade Destaques

Novo decreto impõe restrições para combater avanço do coronavírus

A Prefeitura de Ivaiporã realizou na sexta-feira, dia 19 de junho, uma reunião do Centro de Operações da Emergência da Covid-19 para uma avaliação das medidas aplicadas no município e também tratar dos novos passos no enfrentamento do Coronavírus em Ivaiporã.

O encontro que ocorreu no Salão Nobre da Prefeitura e contou com a participação do prefeito Miguel Amaral; do presidente da Câmara de Vereadores, Eder Bueno; do promotor de Justiça Cleverson Leonardo Tozatte; da presidente da Associação Comercial (Acisi) Danubia Palma Dorta; do secretário de Saúde Claudeney Martins; do comandante da Polícia Militar Major Élio Boing; além de representantes de sindicatos, da Câmara da Mulher, do Conselho Comunitário de Segurança e de secretários municipais.

A maior preocupação das autoridades municipais, nesse momento, é com as aglomerações que estão ocorrendo em alguns locais de Ivaiporã e com alguns bares que não estão respeitando as regras de distanciamento e os cuidados sanitários que foram acordados nos decretos municipais em vigor.

Após deliberação, ficou definido que a Prefeitura de Ivaiporã deve emitir um novo decreto restringindo o horário de funcionamento dos bares e lanchonetes, para evitar justamente esse tipo de aglomeração. De domingo a quarta-feira, os bares e lanchonetes poderão funcionar até as 20h00 e de quinta, sexta e sábado até as 22h00. Os restaurantes e pizzarias não serão afetados pela medida, já que a grande maioria está cumprindo as recomendações, como distanciamento das mesas e higiene sanitária. Os serviços de delivery poderão funcionar normalmente, sem restrições de horário.

A reunião também reforçou a necessidade da conscientização da população sobre o uso de máscaras nos locais públicos e nos estabelecimentos comerciais. Portanto, o novo decreto torna obrigatório o uso de máscaras.

As autoridades acreditam que se o avanço do Coronavírus for superado, no máximo, em 60 dias as coisas devem voltar ao normal. Mas que, se não tiver medidas mais rígidas, o município pode sofrer perdas irreparáveis.

Fonte: Paraná Centro